NUNCA TE CONTEI, MAS ESTAVA QUASE

Apesar de ser insegura demais para não dizer em voz alta, sou segura demais para escrever uma carta com nome, data e endereço.

Como se você nunca fosse ler. 

Então, cá estou eu. Te escrevendo tudo que você deveria saber. 

A lua e as estrelas já sabiam que, meus olhos brilhavam mais fortes depois de você me deixar em casa. 

Elas ficam lá no céu, cintilando com mais força, só esperando eu abrir a janela e contar cada detalhe de uma noite incrível ao seu lado. 

Dizia, me apoiando no parapeito, como seu sorriso deixava minhas pernas bambas, sua voz bem perto do meu ouvido me arrepiava toda e como a sua piscadinha depois de uma cantada fajuta brincava com meus batimentos cardíacos. 

Quem me ouvia, sabia que cada “boa noite” eu caía mais e mais na sua.

Decorei como você fala mais arrastado quando está nervoso, como se estica todo para impor respeito, como engrossa a voz quando se dirige a outro homem, como põe os dois dedos na frente da boca quando está pensando e como entorta a cabeça quando me ouve dizer alguma besteira.

Nunca te disse isso, mas toda vez que o vi descer a rua com o farol alto, eu queria conhecê-lo melhor. 

Queria saber o porquê de você gostar tanto Martini, porque você era contra salada de entrada e dizia que sua infância foi maluca. 

Queria te conhecer de ponta a ponta. Ouvir cada palavra como uma espécie de segredo entre amigos ou um pecado que nem um padre teria coragem de escutar.

Nunca te disse isso, mas me perguntava como alguém como você, podia sair com alguém como eu.

Queria saber se enchia a boca para falar de mim para seus amigos e qual era o movimento dos seus olhos quando ouvia meu nome. 

Você não sabia também que eu rezava para você pegar a minha mão, para me levar naquele cinema do lado da sua casa que você gosta tanto, me mostrar aquela padaria na esquina que tem o melhor pão de queijo, que apesar de não ser feito de um pão quase roubado recheado de um queijo quase pago, era igualmente gostoso.

A questão, meu amor, é que eu estava quase me apaixonado. 

Quase largando tudo.

Quase esquecendo tudo que meu coração partido me ensinou.

Mais um pouco, e eu pularia cegamente no mar que você guarda em seus olhos.

Mas mais uma vez, o quase entrou na frente do amor e eu fiquei aqui, sonhando acordada com tudo que ainda guardo de você.

Com todo o meu amor, 

como sempre,

S. Ganeff 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: