BORA VER NO QUE DÁ?

Eu sei que a primeira impressão que você tem de mim não é a melhor. Sei também que por mensagem eu pareço meio sem graça, mas se você me der uma chance, em um encontro casual posso compensar cada falha mal acabada.  Juro que me esforço para causar uma boa impressão. Prometo trazer umas boasContinuar lendo “BORA VER NO QUE DÁ?”

UMA CURTA, PORÉM DEVASTADORA, TRAGÉDIA

Eu me esqueci.  Qual era o gosto dos seus lábios contra os meus?  Qual era a textura deles no fim de noite?  Acho que tinha um gosto diferente quando estavam misturados com saudades, mas não me lembro exatamente qual era.  Como que era mesmo o seu beijo? Por favor me diga que havia algo neleContinuar lendo “UMA CURTA, PORÉM DEVASTADORA, TRAGÉDIA”

SHH NÃO FALE NADA

Se embrulhe mais nos cobertores. Isso, assim.  Agora, feche os olhos.  Tá ouvindo?  Consegue ouvir os pingos de chuva que caem do céu com força, baterem na telha?  Consegue ouvi-los escorrendo com pressa desaguando em uma linha fina no cimento do jardim?  Consegue ouvir os carros passando pela rua?  Consegue ouvir as rodas que giramContinuar lendo “SHH NÃO FALE NADA”

TRÁGICO, NÃO É?

É tudo um pouco muito trágico, não é?  O seu último sorriso direcionado para mim, minha última risada da sua piada, sua última cara de bobo, meu último olhar apaixonado, nossa última viagem, aquele último beijo. Trágico demais. A sensação antes de desligar a ligação, o momento que fecha a porta quando a vista vaiContinuar lendo “TRÁGICO, NÃO É?”

VOCÊ NÃO PODE LER ESTA CARTA

São Paulo 21 de outubro de 2020 Ei! Desculpa, mas você não pode ler essa carta.  É estritamente proibido. Considerado pelas autoridades legalmente ilícito saber quais palavras escolhi para tirar do meu peito e estampar no papel tudo que eu sinto aqui dentro. Saber tudo que transbordo, de mais profundo que se agita quando ouveContinuar lendo “VOCÊ NÃO PODE LER ESTA CARTA”

VAMOS FAZER ALGUNS “NÃO DEVERÍAMOS ESTAR FAZENDO ISSO”

Só para dar uma variada na rotina, uma mudada no astral, colecionar aventuras. Vamos sair pela janela, pular o muro, invadir uma festa, entrar de penetra em um casamento, espalhar nosso amor pelas ruas.  Um pouco de loucura não mata ninguém; a gente jura que não foi por mal e solta algumas risadas na delegaciaContinuar lendo “VAMOS FAZER ALGUNS “NÃO DEVERÍAMOS ESTAR FAZENDO ISSO””

PERDIDAS NO MAR

O barco em que estávamos era lindo. Tão grande que fazia com que qualquer um que não o conhecesse, se perder. Estávamos tomando sol na proa quando a Dona do Barco perguntou se queríamos andar de stand up. — Claro! Dona do Barco pegou as duas pranchas e os dois remos. — Tem um problema: aContinuar lendo “PERDIDAS NO MAR”

O AMOR QUE PODERIA TER NASCIDO

Assim que o par de olhos dele cruzaram com os meus, o bar barulhento com meus amigos rindo o diafragma para fora, ficou em silêncio. De moletom cinza, calça jeans, relógio de fita de couro no pulso, cabelo bagunçado, me perguntei como seria se ele abandonasse a mesa da frente, e se sentasse ao meuContinuar lendo “O AMOR QUE PODERIA TER NASCIDO”

MILITANTE DA ASMA

Assim como Pai Engenheiro, tenho asma. De uma maneira mais leve e não tenho ataques a anos, mas continuo a tendo mesmo assim. O que é perfeitamente normal, certo? Muita gente por aí tem, e não é nada para se envergonhar etc. e tal, mas Pai Engenheiro era militante da asma.  Sim, isso mesmo. ExistiaContinuar lendo “MILITANTE DA ASMA”